Amor

TENTATIVAS

Eu sei que não é igual, mas preciso seguir em frente. Meu corpo estava tão acostumado com o teu. Era um encaixe perfeito, a gente já sabia o que o outro gostava, a cama se tornava um mero acessório. Mas tá, parou, já foi, preciso descobrir um novo jeito de sentir prazer. Com uma nova pessoa.

Parece bobagem, minhas amigas me dizem toda hora: “vai dar guria, ser feliz, aproveita, tanto homem  por aí”. Mas é exatamente esse o problema. Como assim vou sair me entregando pra qualquer um. Ok, não sou nenhuma puritana e sei que estou sendo julgada agora só por ter usado a expressão “me entregar”, mas realmente pra mim não é tão fácil assim.

Eu preciso conhecer, me sentir minimamente íntima, sentir tesão, porra, e não apenas excitada. Aí conheço uns carinhas na internet que já querem ir direto pro finalmente sem se preocupar com o antes. Poxa, custa alguns dias de conversas, uma troca de preferências, um interesse pela vida alheia e até umas nudes pra apimentar? Não é pedir muito, vai?!

Eu tô tentando, mas esses dias conheci um fulano, tava até curtindo, depois de um tempo ele foi lá em casa, uma taça de vinho, uma música bacana e do nada o cara começou a se despir na minha frente. Tipo, não que tenha um manual de instruções, mas é aquela coisa básica de ver que eu correspondi, tira uma parte, depois a outra e não “TCHANANNN”, com letras em neon na testa: “VAMOS TRANSAR”!

Sim, eu falo transar.

Outro dia o cheiro do cara era desagradável. HIGIENE PESSOAL é o mínimo né rapazes? Teve o que parou tudo porque a mãe dele ligou, o que chegou e começou a dar pitaco em tudo na minha casa e o mais fofo, super carinhoso e tal, porém não foi adiante porque no dia seguinte eu descobri que ele tinha namorada.

Não desanima?

Essa parte da entressafra é delicada. Talvez se eu estivesse realmente de boa, querendo apenas curtir, essas coisas pequenas que tomam uma proporção enorme, talvez nem me chamariam a atenção. Mas é que ainda travo. Ainda reparo. Ainda procuro sentir o que sentia quando o sexo era algo confortável, familiar, quando meu corpo permitia aquela troca. Hoje preciso organizar uma simbiose entre cérebro, coração, corpo e desejo. Tudo precisa querer. Difícil, né?

Nem tanto.

Na verdade basta a gente encontrar alguém que dê segurança, que não problematize o sexo, ou não pense nele como prioridade – pelo menos na hora de conhecer alguém. Sexo é consequência de vontades, é a paixão consumada, ou simplesmente entrega total e visceral do instinto para ser feliz naquele instante sem amarras ou traumas. Para haver sexo com sentimento é preciso de uma combinação de fatores e que normalmente só dá certo quando não é programado. Sexo sem amor pode ser muito bom, mas esse depende exclusivamente do nosso desejo, sem esperar nada do outro, se jogar e sentir. Ponto. G.

Não sei ainda qual o meu estágio, seguirei procurando e insistindo. O certo é que já me conheço um pouco melhor. Muito por conta das experiências que tenho vivido.

Tentativas.

Pra tentar te esquecer.

Pra tentar me encontrar.