Sexo, Amor & Crônicas

REENCONTROS


O melhor da saudade é o abraço depois da espera. Sensação de parar o tempo, vontade de morar naquele ombro. Não é fácil estar longe, ficar longe, viver longe. Quando alguns casais passam um tempo sem se ver, seja pela distância, pelos compromissos semanais, ou simplesmente por algum afastamento ocasional, o único consolo é a expectativa causada pelo momento de amar de novo.

Dói. Fisicamente. A ausência da pele dela no meu tato é patológica e não há remédio pra isso. A gente ouve música, mas nenhuma sinfonia tem o dom de me acalmar como a voz dela. Nos distraímos trabalhando, mas a mente viaja, o telefone busca o contato, nem que seja pra clicar na foto e ficar olhado aquele sorriso congelado. Ficar longe é a antítese da paixão. Não combina, não encaixa. Não faz sentido, não é racional. Não existe. É uma arapuca do destino, o tempo brincando comigo, com a minha vontade. Onde será que a minha sorte quer me levar? Por que não posso ter por perto quem mais amo?

A distância elimina o desgaste da rotina e nela reside algo muito bom. Te reencontrar é como respirar após dias, é sorrir pela primeira vez de verdade em muito tempo, é chorar por dentro para que as lágrimas não atrapalhem essa minha confusa felicidade.

No quarto de hotel reservado pra nós, chego antes. Arrumo a decoração, acendo a lareira, confiro o gelo da espumante brut rosé, alinho as taças, ajeito a iluminação. Acendo e apago luzes alternativas pra definir o melhor clima. As flores estão posicionadas num vaso que está sobre o móvel da TV de frente pra cama. Você demora. Eu então pego o buquê e me escondo no banheiro . Fico ali contando os minutos, rindo sozinho do que estou fazendo. Só quero te ver de novo e já sinto tua presença em cada detalhe daquela noite especial, em cada parte do meu corpo que vibra ao te imaginar comigo. Ouço a porta se abrir, espero uma fração de segundos até ela se fechar novamente e você se perguntar onde estou. Saio do banheiro e minha aparição carregando flores no braços e meu coração numa bandeja imaginária te provocam um sorriso. Aquele sorriso. O abraço é demorado, o beijo é eterno, o encontro é perfeito. Como uma peça do meu quebra-cabeça que faltava, você me completou, ali, naquele instante. A saudade? Ela resiste, persiste, inclusive no ardor da presença, pois antecipa a despedida. É uma saudade constante, uma intensidade que jamais conseguirei explicar.

A tua ausência mora comigo e transforma o reencontro no mais alto ápice de felicidade que meu coração já conheceu. Quero te encontrar, te reencontrar pra sempre. Te quero pra sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *