Sexo, Amor & Crônicas

OLHAR

Busque um olhar doce de amor. Aquele olhar que fará você ter certeza de que não está sendo apenas visto, mas observado com atenção. Um olhar de cuidado, de carinho. Olhar apaixonado que enxerga através da retina, que penetra na alma. Um olhar que ama só de olhar.

 
Na pressa da vontade, por vezes esquecemos de namorar o corpo, passear pela pele e de sentir os detalhes da pessoa amada. O olhar é um intervalo para pensar no amor. Hipnose dos sentidos. Pausa da volúpia para admirar o sentimento. Um olhar puro de amor diz tudo, escreve as mais apaixonadas letras de uma história a dois. Acalma e aquece, conforta e compreende, explica e sentencia. Um olhar é mais sincero do que qualquer grito de desespero.
 
No desenrolar da rotina, no balé de portas fechadas, ligações e mensagens, por vezes perdemos a capacidade de enxergar a pessoa amada de forma não virtual. O toque virou raridade e o olhar, uma solenidade. Pare, olhe, perceba que aquela janela da alma revela todo o segredo do corpo.
 
A tristeza fará com que a lágrima fique presa, tentando não sair, com a retina estática, implorando por atenção. Se o choro for expulso, o olhar revelará toda sua inconformidade. Estará desabafando, berrando em gotas de angústia que não consegue mais avistar o amor, que ele foi embora. Um olhar triste é a morte da relação.
 
Se um dia esse olhar se perder no meio da distância entre a sala e a cozinha, se o corredor ficar muito longo para os olhos se cruzarem, não há muito o que fazer. Um desentendimento é contornável, para as manias há a compreensão, para os defeitos, a tolerância. Para um olhar perdido, não há solução, tampouco respostas. Ele fala por si, explica que não consegue mais amar. E manda a mensagem ao coração. Aquele olhar doce se transforma em gelo, paralisado, como uma pedra que derrete qualquer possibilidade de perdoar. Os olhos não mentem jamais.
 
Há também um sorriso que não pertence aos lábios. Ele está nos olhos de quem ama. E quando o olhar sorrir ao te olhar, agradeça pela benção. É singular a mágica ocular de brilhar ao perceber suas cores, sua silhueta, ou até mesmo seu cheiro. Essa felicidade no olhar é tão especial que consegue existir sob a cálida proteção da pálpebra, sem a fotografia. Um olhar eterno de lembranças, irretocável, carregando ali toda a doçura, todo o calor de uma história, apenas no pensamento.
 
O olhar que resiste aos anos revela a mais pura sinceridade do que sente o peito. Está ali, assistindo ao sono alheio, vibrando com o virar da chave na porta, com a chegada do café pela manhã na cama. Esse olhar não precisa nem de reciprocidade. Ele se sustenta austero apenas pela imagem do amor à sua frente. Num restaurante lotado, nem aquele prato refinado lhe importa tanto, muito menos a multidão ao redor. O olhar busca aquele rosto atento ao cardápio, olhando para o visor do celular, ou distraído pela música ambiente. E quando o olhar é retribuído, o corpo todo sorri. Esse olhar tem a capacidade de amar por um segundo, de se apaixonar a cada olhar.
 
Busque esse olhar mais do que qualquer outra coisa. O amor começa na sutileza dos olhos.

Um comentário no “OLHAR

  1. Chico… sempre acompanhei vc na Band, mas me supreendi com nivel dos textos.
    Seu estilo é bem particular e textos mais curtos, gostei muito.
    Que tal abrir espaço para publicar texto de algum amigo?

Deixe uma resposta