Sexo, Amor & Crônicas

MONOGÂMICO

 

 

Não adianta. Sou monogâmico por natureza. Prefiro o calor das cobertas e dos pés da amada a me aquecer, do que o frio das baladas e dos corações noturnos. Bom mesmo é ter alguém para dividir minhas horas, o que ainda vou conquistar, para então multiplicarmos alegria. Felicidade é muito particular, mas a minha é pública.
Caminhar no parque, dormir de conchinha, fazer companhia ao vinho, planejar viagens, sonhos ou cafés no meio da tarde. Tudo isso me deixa mais completo. Festas vazias, de gente vazia com garrafas vazias não me preenchem. Fico enjoado. Não pela presença do álcool, mas pela ausência de sentimento.
Carinho é moeda rara. Sexo virou parquímetro: centavos para estacionar o corpo. Comigo não tem jeito, eu invado a calçada, deixo ali tudo que é meu, recebo multas mensais pelo meu excesso de velocidade no amor. E isso sim, tem muito mais emoção.
Não consigo chegar numa boate para uma desconhecida e simplesmente abordá-la. Pessoas interessantes tem muito mais do que beleza física. Uma pessoa bonita pelos padrões estéticos pode ser a criatura mais chata que você já cruzou. Sem preconceitos, pode também ter uma boa conversa, ser letrada, culta, espontânea, divertida. O fato é que é impossível reconhecer todos esses atributos à meia luz, com uma música irritantemente repetitiva e uns goles de espumante na cabeça.

Só se ama alguém à luz do dia, na autenticidade de uma terça-feira, no almoço apressado, na exaustão do fim de tarde, no desabotoar problemas da happy hour.
Todos nós somos metade. Procuramos algo que nos complete na realização profissional, na felicidade familiar e na autoestima. Sempre falta algo no estômago e no coração. E eu não me alimento com sobras. Tenho constantemente fome de amor.

Um comentário no “MONOGÂMICO

Deixe uma resposta