Amor

ME DÊ SUA MÃO

Eu sei que você tem motivos para ser desconfiada, eu também tenho medo. Muito medo, inclusive de dar o próximo passo. Mas quando te olho não consigo imaginar algo além da felicidade. Sei que sou ingênuo, acredito em todo mundo, mas prefiro assim. Pelo menos arrisco e corro riscos. Risco até de dar certo.

Vamos?

Vamos juntos, prometo que nosso presente irá curar as feridas que nosso passado nos causou. Entenda que nossas dores são iguais, eu também estou sofrido, mas enxergo em você a possibilidade de tudo ser diferente. Eu sei que todos dizem isso, que já falei o mesmo outras vezes, mas se não botarmos fé no amor vamos viver pra quê, caramba?

Eu sei que faltou atenção dos outros caras, um cuidado maior com o que você fala, aquela voz no áudio do whatszapp dizendo que tá com saudade, ou uma simples mensagem dizendo que te ama. Às vezes nem é um esforço, é algo natural que nasce com a gente, essa necessidade em estar com o outro, agradar, querer estar perto. Isso não se exige, não se cobra, ou você tem ou sente falta. Eu estou aqui pra te ter. Vamos?

Não faz essa cara, sei que tem dúvidas. Não do meu sentimento, mas do que pode se tornar a nossa relação. Aquela falta de ar por querer mas não saber como se entregar de novo, lidar com possíveis frustrações de tudo que criamos na nossa eterna esperança por ser feliz.

Eu tô na mesma, queria muito curtir a solteirice, não me apegar, só pegar. Fala isso pro meu coração que palpita toda vez que te vejo, pra minha cabeça que pira quando sinto teu cheiro. Pra minha boca que apenas cala depois do nosso beijo, pois nada mais resta a dizer depois de ter conhecido teus lábios.

Quero mais.

Quero descobrir mais dessa sensação que intriga meu peito, desafia meu medo, desmonta qualquer convicção que eu possa ter sobre o meu estado civil. Desisto, sou teu.

Eu também vaguei por baladas babacas tentando me achar, buscando uma autoestima perdida, tomando goles a mais por me gostar de menos. Sabe aquela sensação de não conseguir mais ouvir a música e ficar imerso dentro da sua mediocridade de não pertencer àquele mundo?

Pois é.

Mas eu podia garantir que em algum lugar batia um coraçãozinho perfeito pra mim, com aquele jeitinho que só eu saberia lidar. Me comprometo a lidar com a sua mania de ter flores dentro do apartamento, ou de escrever bilhetinhos e deixar pela casa pelo seu perfecionismo virginiano. Também não me importo com o seu estado alterado depois de umas cervejas. Eu subo na mesa com você e pagamos mico juntos, que tal? Se você tiver um lado preferido na cama, eu posso ceder, desde que a gente possa dormir de conchinha, fechado?!

Não sou perfeito, não espere por isso. Estou machucado, assustado com tudo, só quero viver o que meu corpo está pedindo. É uma vontade insana de estar perto, de mergulhar numa aventura que mal consigo denominar. Só sei que é com você.

Me dê sua mão, te seguro firme em busca do desconhecido, mas na certeza de que não soltarei enquanto te amar.

Vamos?