Amor, Sexo, Amor & Crônicas

LINHA DO TEMPO

linha-do-tempo

Estou aqui sentado na varanda revisitando a minha vida e me vem na cabeça todas as memórias da nossa história interrompida.

Lembro daquela viagem pro litoral inesperada. Acordamos, tinha sol e decidimos fazer uma mochila com pequenas coisas, porém cheia de expectativas pra passarmos um dia na praia. No caminho eu cantava sertanejo e você fingia gostar das mais conhecidas do Jorge e Mateus pelo menos. No final já estávamos gritando canções brega como “total eclipse of the heart” e “always” do Bon Jovi. 

Marcante mesmo foi quando aquele seu amigo de infância faleceu prematuramente de câncer e passamos a madrugada num velório no interior com gente que nem você conhecia. Mas eu estava lá pra abraçar o teu silêncio.

Não sai da minha cabeça teu olhar apaixonado quando tivemos nossa primeira briga, teu sorriso malicioso quando fizemos as pazes, teu jeito de não parar de falar pra demonstrar felicidade. Agitada né? Sorrio. Conheço até as vogais da tua ansiedade.

Como eu lembro de acordar juntinho não querendo sair da cama porque existir era muito mais fácil com meu corpo grudado ao teu. Do cheiro de café ao despertar, da tua bochecha com covinha. Lembro do sol da manhã, do prenúncio vespertino e das nossas loucuras notívagas.

Lembranças de um passado que ainda não passou, de um filme que eu não assisti, palavras de um livro que eu nem sei se li. Histórias de uma realidade inexistente, que reside na esperança por viver cada dia desse amor.

Teu coração é minha morada e a linha do tempo é relativa, nem sempre representa o que acontece de verdade. Na minha cabeça eu te amo, nos meus sonhos te amei, na minha vida eu sempre vou te amar.

Definitivamente, você foi a melhor coisa que eu nunca pude ter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *