Sexo, Amor & Crônicas

INVISÍVEL

invisivelNão adianta. Você me vê, mas não me enxerga. Não importa o que eu faça, parece impossível você me notar. Acordo e basta eu raciocinar, para pensar em você. Eu não gosto disso. Na verdade, até me incomodo. Mas não tenho saída, meus pensamentos tem vida própria e o GPS do teu sorriso. Olho pro guarda-roupa aberto, sento na cama e fico imaginando que roupa você gostaria que eu usasse. Faço isso sem perceber e quando vejo, estou vestindo aquela camiseta preta que você adora, a calça que você elogiou outro dia. Quando conversamos e você disse gostar daquele cheiro cítrico de uma marca importada, fui no shopping e gastei todas as minhas economias naquele perfume. No entanto, meu amor platônico continua com um cheiro de indiferença.

Sempre tem um dia que eu acho que você vai me olhar diferente, ouvir uma música e pensar em mim como um cara de verdade. Poxa, se você soubesse o quanto posso te fazer feliz. Não sei se você tem medo da felicidade ou se gosta de sofrer mesmo. Sim, eu ignoro que não te atraio, não gosto de pensar nisso. Prefiro jogar toda a culpa da minha tristeza nos teus ombros geralmente desnudos. Eu daria tudo para cobri-los com minhas mãos, fazer uma massagem, te fazer adormecer. Nem penso em sexo com você. O que eu queria de verdade era ser teu colo, o dono das tuas lágrimas. Se apenas uma vez você chorasse por mim, eu poderia ter esperança. Mas enquanto você sorrir ao me ver, não terei chance alguma.

Isso, continua falando de caras na minha frente, como se eu não existisse, como se eu fosse uma mera decoração do escritório. Eu sei com quem você vai sair hoje à noite, ouvi você falando no telefone, vi você comentando com a nossa colega. O que mais me dá raiva é que, de algum forma, fico feliz com esse teu brilho no olhar, mas sei que vai passar uns dias e você vai estar carente de novo. Aí lá vou eu me encher de expectativas mais uma vez. Já não sei mais se sou burro ou ingênuo. Coração é besta mesmo, não aprende.

Lógico que já tentei conhecer outras meninas, algumas até bem mais interessantes que você. Elas me querem, estão a fim de viver histórias, querem se entregar, são doidivanas, profanas ou até caseiras. Posso escolher. O problema é que sentimento tem identidade única, caixa postal exclusiva, sinal verde para uma pessoa, apenas. Lá vou eu rejeitar alguém que possa me satisfazer, ou me dar alegrias. Nessas horas eu me pergunto, será que eu gosto de sofrer? Por que será que não parto pra outra boca? Parece que só reconheço o gosto dos teus lábios.

Hoje tudo vai mudar. Vou chegar no trabalho contando das minhas aventuras sexuais do fim de semana, contar que estou apaixonado e tal, certo que ela vai ter ciúme. De novo, escalo a vestimenta preferida dela, estufo o peito, entro na sala com um sorriso falso no rosto, ignorando tudo e a todos, até que a vejo. Ela está cochichando com aquela colega, rindo e muito sorridente. A reunião já vai começar e ela continua falando e sorrindo, chega a morder o lábio algumas vezes. O que será que aconteceu no fim de semana dela? Perdi totalmente o foco do que eu ia fazer. Até que o olhar dela alcança o meu, eu dou uma piscada calhorda e ela apenas sorri. Como sempre, o máximo que consigo é um sorriso. Ah se fossem lágrimas…

Um comentário no “INVISÍVEL

Deixe uma resposta