Amor

DIVERGÊNCIAS

Entender que um casal é feito de duas pessoas e portanto – compreendem dois mundos distintos que se chocam – é o primeiro desafio para a sua paixão subir o degrau do amor e se transformar em uma relação.

Vivemos num mundo tão descartável, de uma substituição tão rápida, que pessoas são tratadas como se fossem aquele smartphone que trocamos quando aparece um mais moderno. “Esse que eu carrego é legal, mas já não tira fotos como aquele, a memória não é tão grande, chegou a hora de passar adiante.” Isso mesmo, uma simples reposição como fosse uma mercadoria.

Mas estamos falando de algo mais profundo.

No começo é natural que surjam mais afinidades. São elas que aproximam, faz a gente querer estar perto. É a chamada sintonia nos chamando pra sair. Vamos ao show da dupla sertaneja que gostamos, escolhemos o destino de viagem que sempre sonhamos, pedimos aquela pizza de pepperoni com queijo e compartilhamos o mesmo gosto por filmes e séries. CARACA, QUE PERFEITO!

A vida não é só isso.

Aos poucos você descobre nuances do temperamento alheio. O jeito como acorda, a maneira como chega em casa, como reage com os hormônios ou simplesmente cansada do trabalho. Vem os problemas, as diferenças e é preciso parcimônia para entender que em algum momento haverá conflito. Por vezes brigas, raiva, chateação, sentimentos que até então não existiam.

Será preciso um olhar mais amplo na história de amor, fazer aquele exercício de lembrar quantas vezes vocês concordaram e ter a certeza de que os momentos de harmonia superam aqueles instantes negativos. Mas algo mais difícil será necessário: vencer o orgulho.

A birra é a maior inimiga nessa hora. Queremos vencer a disputa, mostrar que temos razão, quando na verdade basta chegar à conclusão de que um abraço silencioso encerra tudo. Cala o grito que não sai, expulsa o choro preso no nosso egoísmo e alivia qualquer tensão simplesmente no acordo mútuo selado na cumplicidade. É preciso dar o primeiro passo, ou baixar a guarda se o movimento for do outro.

Vale a pena!

Ou você pode continuar substituindo quando a alegria não for constante, o prazer rarear. Mas também saiba que estará trocando a estabilidade de um colo – uma companhia eterna – para satisfazer regozijos efêmeros.

É sempre uma escolha.

Divergir faz parte de qualquer relação. Quando você se der conta disso, saberá que a paixão se transformou em amor.