Café das Segundas, Sexo, Amor & Crônicas

CARÊNCIA

 

A carência é envergonhada. Usa uma máscara de força, armadura de proteção emocional. A carência embriaga, com ela nosso campo de visão fica distorcido. Permite escolhas erradas, submissão. Carência é necessidade de alguém, desespero por atenção, pânico pelo abandono.

Estar carente é solidão a dois, amor platônico correspondido, porém sem plenitude. É paixão superficial. Carência é esperar demais por alguém que tem de menos. Geralmente a carência na relação é fruto da soberba do outro. Quando um não precisa mais respirar o ar do parceiro para seguir vivendo, está criada a arrogância matrimonial, excesso de confiança sentimental, superestima da união. Nesse momento, a pessoa desiste de plantar os grãos do afeto, sementes de companheirismo, colocar o adubo do desejo. Acreditar que o sentimento recebido é eterno, sem a manutenção do carinho mútuo, é o primeiro passo para a proliferação da carência.

Carência rima com negligência. É ignorar o novo corte de cabelo, o nome do esmalte preferido. Não telefonar para dar boa noite causa carência. Não cobri-la quando faz frio à noite, também.

Estar carente dá raiva, é inadmissível. Carência é inimiga mortal do orgulho, desafeto declarado do amor próprio. Com a carência, não há autonomia, não existe independência racional, é impossível erguer a cabeça. Por isso a carência será sempre velada, escondida, esperando que um afago lhe adormeça. A carência implora por não ser acordada, pois teme se transformar em desatino.

 

3 comentários no “CARÊNCIA

  1. Valeu…

    E ah… eu sou teu seguidor mais doido que tens…néummm, minha doidera é controlada, tem caras mais doidos que eu. Sou o mais carente, carência a qual faz-me cometer doideras como tweetar coisas sem sentido…se bem que muitas fazem sentido…mas muitas parecem desesperos… enfim, já deu pra perceber que sou teu seguidor mais doido que tem. Mas o mais gentil e o mais pedidor de desculpas se cometo algum desatino, culpa da carência, que te segue =P, valeuzaço.
    Ass.: Caê Costa

Deixe uma resposta