Sexo, Amor & Crônicas

BRINCANDO DE AMAR

Eu não queria brincar, apenas me divertir. E nessa montanha-russa de sensações, a ideia era que você sorrisse também. Sua gargalhada me contagiou e quando vi estava de ponta cabeça. Tudo girava e o mundo a partir de então estava ao contrário.

É incrível a nossa inabilidade pra se apaixonar. Como se paixão fosse métrica. Não é. E nesse carrossel fico tentando colorir meus dias com passeios imaginários, subindo e descendo na alternância de sentimentos, descobrindo que sonho e realidade são separados apenas pelo toque dos lábios. 

Você embarcou comigo nesse jogo que nem sabíamos o nome. Cada um tinha suas regras e era natural um estar algumas casas na frente do outro. Eu não pretendia ganhar, queria apenas jogar minha sorte aos dados da vida. Sabe-se lá o que os números teriam pra mim. Talvez aquela taça de vinho cobrindo parte do seu rosto com o bojo – deixando à mostra seu olhos de intriga – me desafiasse. Teu olhar me ganhou. E me perdi.

Eu não estava competindo, só queria desfrutar da emoção de poder correr com o corpo livre sem perceber o coração cheio de amarras. Como se fosse possível raciocinar sem pensar em você. Achei que poderia derrotar meu sentimento, mas caí diante de minhas próprias escolhas. Coração não sabe ser jogador. Apenas sente, ama e transborda. A gente obedece. Ou contraria e se engana. E sofre. 

Brincar com você sempre foi meu melhor e mais proveitoso divertimento. Porque é possível ser lúdico no amor, ser errante nos jogos da paixão. Arrisquei pois achava interessante jogar. E me jogar.

No final ninguém venceu. Fomos enganados pela própria sorte. Competidores juvenis, aprendizes na arte dos sentimentos. Não era pra ser, a vida nos carregou para outros caminhos, algum outro labirinto em que o final ainda será descoberto. De lembranças, nossas brincadeiras maliciosas, que me ensinaram frases perfeitas, letras de maturidade, musicas da minha já presente maioridade.

Fui seu brinquedo. Fui feliz.

Um comentário no “BRINCANDO DE AMAR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *