Sexo, Amor & Crônicas

AMORES PERDIDOS

 

Amores perdidos foram vividos, porém não consumados. Já perdi as contas de quantas histórias pendentes inquietaram o meu coração. Paixões que foram interrompidas, sequer iniciadas e muitas vezes acabaram antes do primeiro beijo. No entanto, relações com um sentimento capaz de provocar algo tão intenso quanto a dúvida de como seria esse amor, se ele existisse de fato.
 
Por vezes nos deparamos com situações que fogem do nosso alcance. O destino é implacável, cruel e definitivo. O livre arbítrio permite que tomemos certas atitudes, mas alguns fatores estão além das nossas possibilidades. Nos cabe acatar a decisão suprema e saborear o ensinamento de uma história que será lição simplesmente por não acontecer.
 
Certa vez eu me encantei perdidamente por uma menina. Ela morava longe e era conhecida de uma outra amiga. Lembro de conversar com ela numa praça, esperando seu ônibus chegar. Não sei como, mas eu sabia que se ela embarcasse, nunca mais a veria. Quando ela seguiu viagem, só então percebi que havia deixado um cachecol seu comigo. Rosa. E com um perfume delicioso. Perdemos o contato e fiquei semanas carregando aquele fragmento de uma quase paixão, contendo apenas o cheiro dela. Quem sabe o que teria acontecido se tivéssemos vivido aquela história?
 
Teve uma colega de faculdade, claro. Sempre há alguém na faculdade, onde as paixões se acumulam como provas. Na Universidade os testes são acadêmicos e amorosos. Queria muito tê-la pra mim. Qual não foi minha surpresa ao perceber que o meu desejo era recíproco? Tarde demais. Ela estava de malas prontas para fora do país. Chegamos a conversar sobre isso, mas houve sempre um muro imaginário nos separando. Passou, ficou na lembrança, na memória de um futuro inexistente. Uma incógnita que nos fazia sorrir. E faz até hoje.
 
Um dos amores da minha vida foi devidamente consumado, mas ainda assim fugaz demais para tudo que tinha para viver. Ficamos juntos por alguns meses, mas logo ela teve de viajar e ainda havia muito amor no meu coração. Dúvidas, incertezas, todas essa sensações que só aumentaram o meu sentimento altivo de algo que nunca aconteceu, mas que existiu verdadeiramente e com todas as forças. Precisávamos viver, mas a distância não permitiu. Logo conhecemos outras pessoas, porém a nossa história inacabada sempre permaneceu presente em nossos corações. Intocada, imaculada e com uma eterna expectativa de felicidade.
 
Sem o tempo para desgastar toda relação é alegre, embora efêmera.
 
Perdemos muitos amores pelo caminho, mas surpreendentemente isso se torna positivo na medida em que cada história ensina e nos prepara para o que vem pela frente. Nem todos os amores que encontramos serão vividos intensamente. Muitos nem precisam. A maioria se torna amor, exatamente por nascer e morrer, por conter apenas sintomas de um sentimento puro, quase platônico em que nele reside toda a esperança de brotar, florescer.
 
O amor consegue ser pleno até mesmo na ilusão.

Um comentário no “AMORES PERDIDOS

Deixe uma resposta