Amor

AMOR IGUAL

Imagine você se olhando no espelho e não se reconhecendo. Um reflexo que não combina com a sua real personalidade. Então você acha que não se encaixa nesse mundo. E tem certeza de que algo está errado. De repente o primeiro pensamento é de que o erro é você. Errado!

Aos poucos você vai se descobrindo, aceitando as próprias vontades, tentando encontrar respostas para as perguntas que o corpo se faz. Muitos enfrentam a vida imediatamente, seguros de si e dos seus sentimentos, da sua verdade. Nem todos conseguem. Sufocam o desejo, enganam as emoções para mascarar a realidade ou ludibriar uma plateia que não está ali por você. Pois se estivesse, aplaudiria qualquer escolha sua. O caminho até a liberdade é tortuoso. Porém, infelizmente muitos não conseguem fugir da prisão social que se encontram.

Não é opção sexual. Ninguém escolhe o que sentir, qual gênero desejar. É orgânico, natural ao nosso corpo tão erógeno. Isso sem falar nos sentimentos, tão irracionais. Como controlar paixões ou reações do corpo se formos atraídos emocionalmente por alguém do mesmo sexo que a gente? Não é fácil descobrir essa curiosa felicidade e é preciso muita coragem para vivê-la na sua plenitude.

Tão difícil quanto os homossexuais se permitirem viver o que sentem, é o fato de alguns heterossexuais não entenderem esse amor. Como se tivéssemos o direito de julgar o que o outro sente, pensa ou faz. Isso eu nunca vou entender.

Muitas pessoas têm dificuldade em aceitar o novo, o que respeito. Gerações passadas conviveram com a opressão em vários sentidos, receberam uma criação mais conservadora, restrita às mudanças mundanas. Porém penso que não importa o quanto seja difícil pra você, a sexualidade alheia definitivamente não é da sua conta. Por que algumas pessoas se preocupam tanto com o que outras sentem ou fazem? Que direito tem alguém de interferir na forma do outro viver? Que mal faz alguém que ama, seja um homem, mulher, cachorro ou objeto? Qual o seu interesse no que uma terceira pessoa faz com seu corpo? Questões sem solução. A intolerância é mal do século.

O amor é tão grande que jamais será específico. São varias formas, sentimento nobre direcionado a quem nos faz feliz, não importa como. Você também, se preocupe menos com os outros e seja feliz. Para amar e ser amado, é preciso primeiro entender o amor e compreender que ele é vasto, insano e não faz distinção alguma. Então, não faça você. Apenas ame.

Mais amor, menos julgamentos, mais alegria. Essa equação me parece mais justa.

Amor igual pode simplesmente ser igual a felicidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *