Café das Segundas, Sexo, Amor & Crônicas

AEROPORTOS

 Odeio aeroportos. O salão de embarque tem um cheiro de saudade e a companhia terrestre daquelas pessoas à minha volta, não me consolam. O painel de viagens da minha vida acumula mais despedidas do que reencontros e eu sempre me senti pagando a dívida de uma vida passada, onde certamente fui um marujo envolvente, abandonando um amor em cada porto. Estou fadado a me despedir de alguém, por vezes, antes mesmo de começar a viver.

Odeio aeroportos. Eles se transformaram no palco da minha tristeza, na minha definição de solidão. Me despeço de ti e fico lá, no meio daquele corre-corre de vidas e histórias, com a morte da minha alegria. Um mar de encontros e eu à deriva na minha dor, com atrasos constantes no meu voo de sentimentos.

Odeio aeroportos. E o pior é a incerteza da volta. Pode ser o último beijo, o último toque, um embarque para outra vida. O abraço é ainda pior. Sensação de desespero em forma de silêncio. Grito em soluços.

Odeio aeroportos. Decolagens me enjoam, levam pra longe tudo aquilo que sempre quis perto. Deixa apenas uma bagagem de dor. Nunca vou me convencer de que isso é o certo, de que o Adeus se transformou em trivial. A perda é suportável, o que machuca é a indefinição.

Odeio aeroportos. Eles representam o portal da agonia, passagem para o túnel da perda, santuário do choro. Ver aviões subindo sempre significou meu coração partindo. Nem mesmo os lapsos de alegria nas chegadas diminuíam a angústia das partidas. Ilusão aérea de esperança, céu de dúvidas, imensidão de saudade.

Odeio aeroportos. Eles não me entendem e não tenho guichê para reclamar do meu overbooking de emoções. Fico apenas com o check-in de lamentos, esperando o próximo voo. Talvez numa viagem diferente, eu comece a gostar, mas por enquanto, ODEIO AEROPORTOS.

Um comentário no “AEROPORTOS

  1. Tamém não gosto de aeroportos seja pela claustrofobia, de que para mim está sempre tudo muito cheio, mas amo a sensação de estar onde quero estar, quantas vezes não estamos em alguns lugares, por obrigação, por dever, por amizade, os aeroportos não você está onde quer estar.

  2. Eu amo aeroportos.A sensação que tenho cada vez que me preparo para embarcar é de uma felicidade infinita…sair ,fugir,passear,descobrir ,redescobrir…Cada vez que embarco, tenho a sensação de liberdade,de deixar os problemas para trás,como se nunca tivesse tido um.Ah!!que loucura…eu amo aeroportos.Gosto de olhar a chegada dos passageiros…a alegria,o reencontro ,os abraços calorosos…e no embarque,a despedida,as lágrimas,a saudade de quem fica,o desejo de uma boa viagem…Eu amo aeroportos…
    Adorei a tua crônica…mesmo.

    Maria Lucia

Deixe uma resposta